o-que-e-a-sustentabilidade-e-como-desmitifica-la O que é a Sustentabilidade e como desmitifica-la?

O que é a Sustentabilidade e como desmitifica-la?

Em 5 de junho é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente. Essa data comemorativa foi criada pela Assembleia Geral da ONU através da resolução A/RES/2994 (XXVII) [*] ao final de 1972, como resultado da Conferência sobre o Meio Ambiente Humano. O objetivo era reafirmar ano após ano a responsabilidade da comunidade internacional em tomar ações que preservassem e promovessem o meio ambiente.

Como um dos pilares do Desenvolvimento Sustentável, o Meio Ambiente, apesar de todas as campanhas de conscientização criadas ao longo dos anos e toda a visualização que o tema ganhou, ainda é o que apresenta metas mais desafiadoras. Alguém imagina o porquê disso? Analisem a definição mais aceita de Sustentabilidade abaixo:

“Development that meets the needs of the present without compromising the ability of future generations to meet their own needs” (World Commission on Environment and Development, 1987).

“Desenvolvimento que atenda às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atender suas próprias necessidades” (Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, 1987).

Agora saiam um pouco do tema e imaginem um paciente com doença cardíaca, fumante, que ingere bebidas alcoólicas e vai ao médico após um exame de rotina. Hipoteticamente ele é informado que deve parar de beber e fumar, caso contrário existe grande possibilidade de um infarto. Esse paciente vai para casa, segue algumas recomendações do médico e, depois de um tempo, nada acontece. Então, aos poucos, ele volta a ter os mesmos hábitos de antes. Alguns, nem adotam hábitos mais saudáveis até que o pior aconteça. Dito isso, lhe pergunto: Se as pessoas não mudam seus hábitos para evitar um problema de saúde iminente, por que acham que com a atual abordagem dos profissionais e grupos ambientais elas irão mudar hábitos enraizados para atender as necessidades de uma futura geração?

Relato aqui alguns problemas importantes que são percebidos na prática e que são comuns à sociedade nacional e internacional como um todo (salvo às exceções):

  • Anda estou atendendo as minhas necessidades e as da minha família, portanto, não entendo o que você está tentando me dizer;
  • Eu quase não vejo, no meu dia a dia, os impactos que você tanto relata;
  • Desde 1972 conceitos de sustentabilidade são disseminados através de exemplos catastróficos, mas nada aconteceu até hoje de muito grave que altere minha capacidade de atender minhas necessidades presentes;
  • Necessidades das futuras gerações? Quais serão? Quem serão essas gerações? É muito longe e nada palpável.

Já senti as interpretações citadas acima de 2 formas:

  • Através de ações que as pessoas tomam de forma inconsciente;
  • Através do discurso consciente.

Entendam que nós só mudamos hábitos quando o problema é iminente e a resolução do mesmo trará algum benefício próximo e tangível. Em contrapartida, para resolvermos o problema da Sustentabilidade, a definição atual e mais aceita é intangível tanto com relação às consequências iminentes quanto aos benefícios palpáveis. Dessa forma, se faz urgente uma mudança na abordagem adotada pela maioria dos profissionais que trabalham com o tema.

Nossas ações são resultados de anos de experiências mercadológicas que enraizaram conceitos e hábitos que talvez nem façam mais sentido, mas não conseguimos abandonar por também não vermos sentido na mudança. Por esse motivo, peço aos profissionais da área que:

  • Abordem a Sustentabilidade no presente;
  • Expressem problemas relevantes às diferentes comunidades e grupos;
  • Escolham problemas reais e tangíveis e associe-os aos menos palpáveis. Assim, vocês conseguem trazer algo inimaginável para a realidade daquela comunidade ou grupo.
  • Comecem a pensar em quais podem ser os benefícios TANGÍVEIS que as pessoas podem ganhar com suas mudanças de hábitos. Nem pensem em coisas como salvar os corais, a não ser que estejam falando com alguma comunidade vivendo em uma ilha ou que dependa economicamente deles.
  • Se continuarem a pensar que todos vão se compadecer de problemas não palpáveis, as tentativas de conscientização provavelmente vão falhar.

Sim, é um trabalho de “formiguinha” que demanda esforço e até certo conhecimento na área de psicologia, mas todo e qualquer trabalho bem feito demanda esforço e dedicação. Darei alguns exemplos que poderão ajudar em breve.

Espero ter elucidado alguns pontos. Nos vemos no próximo domingo.

fonte: [*] http://www.un.org/en/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/2994%20(XXVII)

#sustentabilidade #repensandoasustentabilidade #SDGS #ODS #meioambiente

Artigos Relacionados

Priscila é Bacharel em Ciências Biológicas pela PUC de Campinas e Mestre em Gestão Ambiental pela University of Queensland, onde iniciou sua carreira na área de Gestão de Projetos e Processos utilizando os conhecimentos da interconectividade de ecossistemas e os adaptando ao ambiente industrial e empresarial.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *