sunset-1373171_1920-1140x285 De quem é a culpa?

Não entendo sobre culpa, mas sim sobre assumir as consequências. Vivemos muito tempo de forma insustentável e agora a conta chegou. Então, diferente das gerações anteriores, não podemos mais nos dar ao luxo de gerar resíduos como antes sem qualquer consequência. Imagine que o que estamos vivendo e o que gerações futuras viverão é um acúmulo de anos de bilhões de pessoas vivendo da forma como bem quiseram e como seus recursos permitiram individualmente, sem qualquer controle ou preocupação. A escolha de manter hábitos antigos é nossa, mas as consequências também são, sem essa história de que apenas gerações futuras serão afetadas. Quais são essas consequências? Num primeiro momento, aumentos substanciais de preços em produtos suscetíveis às variáveis ambientais e, num futuro não tão distante assim, a parada de produção de alguns itens por inviabilidade financeira. As consequências sociais imagino que já as estamos vivendo. Porém, quando passarmos a não satisfazer a maior parte de nossas necessidades psíquicas, o cenário será pior. Nenhum ser vivo consegue ser sustentável em escassez de recursos ou de alma. Quanto as consequências ambientais, já estão chegando em países e mercados mais suscetíveis. Um agricultor sem dúvida está mais vulnerável do que um desenvolver de software, em um primeiro momento, até que o sistema todo colapse. Assim como um câncer inicia a falha total dos nossos sistemas corporais até a morte por metástase, iniciamos há muito tempo a falha global dos serviços ecossistêmicos. Se a regressão é possível, existem provas que sim, mas só o tempo dirá. Eu iniciaria um tratamento de quimioterapia o mais rápido possível. Ou vamos escolher “pagar para ver”?

Imagem de Cindy Lever por Pixabay

Artigos Relacionados

Priscila é Bacharel em Ciências Biológicas pela PUC de Campinas e Mestre em Gestão Ambiental pela University of Queensland, onde iniciou sua carreira na área de Gestão de Projetos e Processos utilizando os conhecimentos da interconectividade de ecossistemas e os adaptando ao ambiente industrial e empresarial.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *